1. Pular para o Menu
  2. Pular para o Conteúdo
  3. Pular para o Rodapé

4 cidades sagradas

PDF Imprimir E-mail

Escrito por Mário Moreno Sex, 20 de Novembro de 2015 08:53

As quatro cidades Sagradas

Se Israel é a "Terra Santa", existem algumas cidades em Israel que tem sido consideradas o "Santo dos Santos". Estas são cidades com especial significado histórico e espiritual para o povo judeu. E, embora existam várias outras cidades que podem reivindicar que deveria estar na lista de muito sagradas, estas quatro são aqueles que têm suportado e mantido seu status especial ao longo dos séculos. A lista inclui Tzefat, Jerusalém, Hebron e Tiberias.

 

Hebron, uma cidade verdadeiramente antiga, é mencionada várias vezes na Bíblia. Os primórdios do povo de Israel estão nesta cidade. Avraham e Sarah, estabeleceram-se em Hebron, depois de viver em Siquém (Nablus). Foi lá que Sarah morreu e Abraham comprou um lugar do enterro para ela, a caverna de Machpelah.

"E Sarah morreu em Kiriat Arba – que é Hebron – na terra de Canaã; e Avraham veio para chorar a Sarah e a chorar por ela" (Gn 2:24)... "E Avraham ouviu a Ephron; e Avraham pesou a Ephron a prata, o que ele tinha falado na conversa dos filhos de Hete, quatrocentos siclos de prata, dinheiro atual com o comerciante... E depois disto, Abraham enterra Sarah sua esposa na caverna do campo de Machpelah antes de Manre, o mesmo é Hebron – na terra de Canaã" (Gn 24:16,19). Foi neste lugar do enterro em Hebron que todos dos patriarcas e matriarcas foram enterrados (com exceção de Rachel, que foi enterrada em Belém), e fontes judaicas dizem que Adão e Eva foram enterrados lá também. Hebron abriga não apenas as raízes da nação judaica, mas as de toda a humanidade.

Hebron está localizado nas montanhas, uma das maiores cidades em Israel. É também uma das mais antigas cidades em Israel e em todo o mundo. Esta era a capital do Império do rei David até mudou-se isso ao norte de Jerusalém, que é a capital do estado de Israel hoje, 3000 anos depois.

Jerusalém não era ainda uma cidade durante os tempos de Avraham e, segundo a tradição, foi o local da oferta de Itshaq.

"E aconteceu depois destas coisas, que D-us prova a Avraham e disse-lhe: 'Avraham'; e ele disse: 'Aqui estou'; e ele disse: ' pegue agora o teu filho, teu único filho, a quem amas, mesmo Itshaq e vai-te em terra de Moriá; e oferece-o lá como uma oferta queimada em cima de uma das montanhas que irei mostrar-te" (Gn 22:1-2).

A terra de Moriá, também conhecida como monte Moriá, era outro nome para o monte do templo e assim, milhares de anos mais tarde, foi a montanha que o rei David comprou e seu filho, o rei Salomão, constrói o templo sagrado. Há tanta tradição e história judaica focada e concentrada em uma cidade, Jerusalém, a capital do Reino do rei David e o Reino de Judá, a casa do templo sagrado. Jerusalém é uma cidade que passou por milhares de anos de intrigas políticas, guerras, paz, devoção religiosa, exilados, reconstrução, destruição e reconstrução novamente. Há milhares de anos de exílio do povo judeu orou por seu retorno à terra de Israel e a reconstrução de sua pátria e o templo sagrado, enquanto enfrenta a Jerusalém e o monte do templo.

Outro nome para Jerusalém é Zion. "No entanto, David tomou a fortaleza de Sião; o mesmo é a cidade de David" (II Sm 5:7); "fazei o bem a teu favor a Sião; construi as muralhas de Jerusalém" (Sl 51:20). O nome “Tzion”, por sua vez, tornou-se a palavra que mais fortemente simbolizava o anseio do povo judeu para retornar à sua terra e a cidade santa de Jerusalém. Assim, o movimento sionista escolheu este como o próprio nome. Desde o dia que rei David mudou a sua capital em Jerusalém, manteve-se o coração e a alma do povo judeu.

Ainda havia tempos sombrios para a nação judaica. Dentre estes períodos escuros teve lugar sob o domínio do Império Romano. Os romanos queriam enfraquecer o povo judeu e perseguiram e oprimiram-os e a sua liderança espiritual. O centro da liderança espiritual judaica era o Sinédrio, o Supremo Tribunal do povo de Israel, que consistia em 71 estudiosos da lei judaica, de elevada estatura moral e espiritual, que se sentavam em um salão chamado a “câmara de talhados” pedra adjacente ao templo sagrado. Como os romanos começaram a perseguir os membros do Sinédrio e consequentemente, destruíram o templo, foi necessário para o Sinédrio realocar-se uma e outra vez. Assim, o Sinédrio começou uma longa jornada, vagando de um lugar para outro, até que veio a sua residência definitiva em Tiberíades, às margens do mar da Galiléia.

'Correspondentemente o Sinédrio vagava para dez lugares de banimento, como sabemos pela tradição', ou seja, da câmara de pedra talhada para Hanuth e de Hanuth a Jerusalém e de Jerusalém para Jabneh e de Jabneh para Usha e de Usha [volta] para Jabneh e de Jabneh [volta] para Usha, de Usha para Shefar'am e de Shefar'am a Beth She'arim e de Beth She'arim de Séforis e de Séforis para Tiberíades..." (Talmude Babilônico, tratado Rosh Hashaná 31b).
O Talmud de Jerusalém foi escrito e selado em Tiberiades e muitos estudiosos de Torah, incluindo Maimonides, ao longo dos tempos residiam e foram enterrados lá. Assim, Tibériades, ao oferecer um refúgio para a liderança espiritual e estudiosos da Torah, foi apelidada de uma das cidades "sagradas".

Tzefat, uma antiga cidade, acredita-se ser construída por um dos filhos de Noé, está debruçada sobre as altas montanhas da Galiléia. É o nome de "Tzefat" vem da palavra hebraica "litzfot", ou “para ver”. A posição elevada do Tzefat oferece uma vista incrível de toda a região. Nos dias do Sinédrio, quando eles queriam anunciar a lua nova e o novo mês (que só poderia ser feito por testemunhas da lua nova) em toda a terra de Israel, acendiam fogueiras nas montanhas mais altas e Tzefat é mencionada como uma destas montanhas.

Muitos judeus começaram a mover-se para a Galiléia durante a idade média quando fugiram da perseguição em outras áreas do país. Com o tempo vieram grandes estudiosos da Torah como rabino Iosef Karo, autor do Shulchan Aruch, a obra monumental que codificou a lei judaica, essencial para o bom observadore judeu em todo o mundo até hoje. Muitos cabalistas (estudiosos do misticismo judaico) também vieram a Tzfat, entre eles, o mais renomado Rabi Yitzchak (Itshaq) Luria, conhecido por todos como o "ARI" (a sigla para "Nosso mestre, Rabino Itshaq") quem escreveu a obra famosa cabalística o Zohar. Tzefat se tornou um refúgio para letristas, poetas e eruditos religiosos. Mais tarde vieram os seguidores do movimento Chassidico e acrescentou seu sabor especial para a cidade. Hoje Tzefat é um centro espiritual que atrai turistas para seus muitos locais antigos e menos antigos e sua magnífica vista. Tzefat, como Tibériades, juntou-se a lista das cidades Sagradas devido a seus distintos habitantes.
As quatro cidades sagradas de Israel, com suas histórias muito diferentes e qualidades continuam a emprestar uma mistura única de velho e novo e uma aura de espiritualidade, de santidade para a Terra Santa.

Tradução: Mário Moreno.

  Artigos - Arqueologia

Parceiros

Twitter

Siga-nos no Twitter, e esteja por dentro das últimas atualizações, eventos e novidades no Shemaysrael.com! Siga-nos.

Congregação Shema Israel

Cultue ao D-us de Israel conosco

Telefone para contato: (15) 3243-1791

Facebook

Estamos no Facebook! A página do Rabino Mário Moreno tem comentários sobre os últimos os acontecimentos no mundo e bênçãos diárias para sua vida. Página do Rabino no Facebook