1. Pular para o Menu
  2. Pular para o Conteúdo
  3. Pular para o Rodapé

Continuidade ou não?

PDF Imprimir E-mail

Escrito por Mário Moreno Sex, 06 de Novembro de 2015 15:11

Tanach e Brit Hadasha: continuidade ou descontinuidade?

Por muitos séculos, a maioria dos cristãos foram ensinados que há uma descontinuidade dramática entre a Tanach e a Brit Hadasha, entre "Torah" e "Graça", entre Israel e a igreja. Embora existam vantagens distintas e maiores para a Brit Hadasha, instituída pelo Messias Ieshua, também há muita continuidade entre a Tanach e a Brit Hadasha. Existe graça na Torah, e há leis e mandamentos na Brit Hadasha. Existem diferenças entre Israel e a igreja, mas há muita sobreposição também. Se você já ouviu pessoas expressarem pensamentos como, "Os cristãos não devem estar preocupados com a Tanach" e, em seguida, encoraja-os a considerar o seguinte: O fundador da fé, o Messias Ieshua, foi muito judeu. Ieshua foi um Sabra (um israelense nativo). Desde que ele nasceu na tribo de Judá e é um descendente do rei David, ele é da realeza judaica. Ele foi circuncidado no oitavo dia. A Ele foi dado um nome judaico - Ieshua. Ele foi criado em um lar judeu piedoso por pais piedosos. Ele foi regularmente à sinagoga, como era seu costume (Lc 4:16). A vida que ele viveu foi que de um judeu observante que manteve a Torah (Gl 4:4). Ele foi capaz de dizer, "Qual de vocês convence-Me de pecado?" porque ele nunca pecou por quebrar os mandamentos da Torah. O Messias Ieshua ensinou que ele cumpriu, não quebrou, a Torah (Mt 5:17-19).

O Acadêmico ortodoxo Pinchas Lapide fez esta observação: "Ieshua nunca quebrou a Torah de Moshe, nem ele de qualquer maneira provocou sua violação - é inteiramente falso dizer que ele fez... A este respeito deve acreditar em mim, pois eu sei mais ou menos meu Talmud... Este Ieshua foi fiel à lei como esperava-se ser. Mas eu suspeito que Ieshua era mais fiel à lei do que eu - e eu sou um judeu ortodoxo." (1)

E sobre os apóstolos? Eles foram os primeiros crentes, o que significa que eles se converteram ao cristianismo e pararam de viver como judeus, certo? Errado! Os discípulos do Senhor continuaram a ter um estilo de vida judaico judaica durante séculos após a sua morte. O livro de Atos registra a história mais antiga do movimento judaico messiânico, e apresenta uma imagem muito judaica. Por exemplo, os apóstolos e os outros judeus messiânicos regularmente se encontravam no templo de Jerusalém (ver At 2:46, 3:1). Eles observaram o sábado, incluindo restrições de viagem tradicionais do shabat. Atos 1:12 refere-se a "viagem de um dia sábado". Lucas, o autor de Atos, estava gravando o fato de que quando os apóstolos estavam retornando para Jerusalém do Monte das Oliveiras, onde foi visto Ieshua subir aos céus, era dia viagem de um sábado, ou cerca de 2000 côvados (aproximadamente um quilômetro). Isto indica a atitude prevalecente entre os apóstolos e Lucas relativas à observância do sábado no momento da escrita do livro de Atos, no verso 12.

Os apóstolos também observaram os feriados judaicos como Shavuot (Pentecostes). Atos 2 registra os eventos incríveis que teve lugar no dia de Shavuot, quando o espírito de Ieshua foi derramado sobre os apóstolos, e eles foram preenchidos com o espírito. Atos 10:9-16 indica que Kefa, o líder do grupo apostólico, ainda mantinha as leis dietéticas do kashrut (leis kosher) depois da morte e ressurreição do Messias. "Levanta-te, Kefa, mata e come. Mas Kefa disse: De maneira nenhuma, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda".

E o Sha´ul? Certamente, Sha´ul viveu como um gentio, desde que ele era o apóstolo dos gentios, e então, quando ele estava entre o povo judeu, viveu como um judeu, certo? Não exatamente; durante toda sua vida este grande rabino de Tarso reflete uma grande quantidade de respeito pela lei judaica. Por exemplo, Sha´ul, que supostamente perdeu a sua identidade judaica, tomou os votos de nazireu, que incluía oferecer sacrifícios de animais no templo de Jerusalém (ver At 18:18 e Nm 6:2-21). Sha´ul e seus companheiros continuaram a manter a Páscoa e a festa de Matzah (ver At 20:6). Eles celebraram o Shavuot (a festa de Pentecostes, ver At 20:16). Eles observaram o jejum de Iom Kipur (veja At 27:9). Porque ele era um líder religioso judeu reconhecível, Sha´ul foi convidado a falar na sinagoga em Antioquia da Pisidia (ver At 13:15).

Em sua defesa diante de Porcius Festus, o novo governador romano, Sha´ul disse "não cometi nenhuma ofensa contra a Torah dos judeus ou contra o templo ou contra César (At 25). Diante do Sinédrio, Sha´ul alegou que ele ainda era um fariseu: "Eu sou fariseu, filho de fariseus” (At 23:6). Note que Sha´ul não disse, "Eu era um fariseu", mas, "Eu sou um fariseu". Quando eles ouviram isto, outros fariseus reuniram-se para o lado dele e disseram: "Não encontramos nada de errado com este homem" (At 23:9). O estudioso cristão H.L. Ellison, lembra-nos que "nós somos levados a pensar que em toda a sua atividade missionária Sha´ul viveu de uma forma que não teria ligado para nenhum comentário adverso de um fariseu quem poderia tê-lo conhecido." (2) esta era a forma que Sha´ul viveu a vida toda. No final de sua vida e ministério, em sua defesa diante dos líderes judeus de Roma, Sha´ul poderia dizer, "irmãos, embora eu nada tenha feito contra nosso povo ou os costumes de nossos pais, ainda fui entregue o prisioneiro de Jerusalém nas mãos dos romanos" (At 28: 17).

O que o grande rabino de Tarso praticava, ele instruia os outros judeus messiânicos a fazer tão bem. Em I Coríntios Sha´ul insistiu que outros judeus messiânicos mantivessem um estilo de vida judaico. "E, assim, cada um ande como Deus lhe repartiu, cada um, como o Senhor o chamou. É o que ordeno em todas as congregações. É alguém chamado, estando circuncidado? Fique circuncidado. É alguém chamado, estando incircuncidado? Não se circuncide. A circuncisão é nada, e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Elohim. Cada um fique na vocação em que foi chamado” (I Co 7:17-20). O que significa para um homem circuncidado "não se torne incircunciso"? Isso significa que ele deve continuar a viver uma vida judaica baseada sobre as leis de D-us.

A sociedade ocidental tende a esquecer que o que é chamado de "Igreja primitiva" ou "Cristianismo do Primeiro século" foi um movimento judaico desde o seu início. A questão no primeiro século não era, "quanto da Torah de Moshe será que devemos abandonar" mas, "Um gentio acredita no Messias judeu sem primeiro se tornar judeu e observante de todas as leis judaicas?" Não havia dúvidas de que os judeus messiânicos deveriam continuar a viver uma vida judaica baseada na Torah de D-us. Entendia-se que era normativa para os judeus messiânicos continuar a viver uma vida de observante da Torah (veja At 21:20-26). Era o relacionamento dos gentios com a Torah, e quanto disso eram encarregado a observar, que foi a questão em debate no primeiro Concílio de Jerusalém (ver At 15).

Enquanto a carta de Sha´ul escrita para as congregações da Galácia pode parecer à primeira vista contradizer esta análise, na verdade não. Naquela carta Sha´ul não ensina que favor imerecido D-us o (graça) opõe-se à lei de D-us. "A Torah é então contraria as promessas de Elohim? Não pode ser!" (Gl 3:21). Para entender esta carta um pouco difícil, precisamos compreender que o termo "lei" (que Sha´ul freqüentemente usadas em suas cartas), pode se referir a um número de conceitos distintos. Eu achei pelo menos nove usos distintos na Brit Hadasha para a palavra "lei". Isso pode se referir a Aliança Mosaica, ou os cinco livros de Moshe ou a Tanach inteira (Torah, profetas e escritos). "Lei" pode se referir a um comando bíblico específico, de um "princípio" ou de "legalismo", dependendo do contexto em que o termo é usado. Em sua carta aos Gálatas, Sha´ul usa o termo "lei" de uma forma que os conceitos paralelos de "carne", ou "trabalho"; em outras palavras, auto-esforço. Sha´ul está se concentrando em seu ataque ao "legalismo", a idéia de que os esforços e realizações de uma pessoa podem ganhar salvação e mérito com D-us.

Muitos do povo judeu no primeiro século tinham perdido a mensagem básica da Torah. Eles tinham distorcido sua observância da Torah maravilhosa de D-us em um sistema de obras, auto-esforço e auto-realização. A idéia de manter as leis de D-us foi torcida em um meio de ficar bem com D-us, por mérito e a própria força. Essa abordagem legalista equivocada de salvação estava sendo transitada em algumas seções do novo movimento messiânico também. Em particular, dos gentios crentes na Galácia estavam sendo ministrados que auto-esforço e obras resultaram na salvação e/ou um nível mais alto de espiritualidade. Foi este pervertido legalismo e não as Santas leis de D-us, que Sha´ul tão vigorosamente atacou. As críticas de Sha´ul ao legalismo não devem ser interpretadas como um ataque contra os judeus messiânicos mantendo mandamentos bíblicos por amor a D-us e um desejo de obedecê-lo.

Outro estudioso cristão, R. Alan Cole, observa que "Sha´ul nunca parece ter compelido a igrejas Gentilicas a agir como os judeus... mas continua a ser igualmente verdade que ele não espera que as igrejas judaicas ajam como crentes gentios. Ele nunca diz que é errado para eles para ser circuncidado, ou para manter a Torah ou para observar os festivais. Tudo o que ele insiste é que estas não têm nada a ver com o dom da salvação." (3)

Posição de Ieshua e Sha´ul e a observância dos Apóstolos, encontram corroboração histórica nos escritos de Josefo, um historiador judeu do primeiro século. No capítulo 9 do livro 20 de Antiguidades, Flávio Josefo registra a morte de Ia´aqov, o meio-irmão do Messias Ieshua. Ia´aqov era o líder da Congregação de Jerusalém. Como descendente do rei David vivo e líder da Congregação de Jerusalém, Ia´aqov tinha despertado a ira do sumo sacerdote de Israel, que teve Ia´aqov apedrejado até a morte. No entanto, Ia´aqov foi tão amado pela maioria do povo judeu por causa de sua vida devota, observador, que se queixaram-se ao novo governador romano, que então destituí o sumo sacerdote do cargo!

Em seu livro "Diálogo com Trifão judeu," Justino o Martir, um proeminente líder cristão do segundo século, indica que foram os judeus messiânicos em meados do segundo século que ainda estavam vivendo um estilo de vida judeu como seguidores do Messias Ieshua. Depois de explicar que alguns cristãos condenaram as observâncias judaicas, ele diz que tanto quanto ele estava preocupado, se "pretendem observar instituições tais como foram dadas por Moshe... juntamente com a sua esperança no Messias... ainda escolheram viver com os cristãos e os fiéis... então, considero que devemos unir-nos para tal e associar com eles em todas as coisas, como parentes e irmãos." (4)

Ireneu, um proeminente líder da igreja do segundo-século, cujo mentor tinha sido ensinado diretamente pelos Apóstolos, e que, portanto, tinha um conhecimento exato das suas vidas, escreveu isto sobre os apóstolos ("contra heresias" 3.23.15): "mas eles mesmos... continuaram nas antigas observâncias... Assim fizeram os apóstolos... escrupulosamente agiam de acordo com a dispensação da lei mosaica" (5).

A maioria das pessoas não percebe que o movimento judaico messiânico continuou por séculos depois que veio Ieshua. Os apóstolos não "tornaram-se cristãos" no sentido de abrir mão de sua identidade judaica, estilo de vida e património. Eles "tornaram-se cristãos" no sentido de seguir o Messias judeu. Por volta do ano 400 D.C., Epifânio observou este ("Panarion" 30:18,39:7): "mas na verdade eles permaneceram inteiramente judeus e nada mais. Por que eles usam não só a Brit Hadasha, mas também a Torah, como os judeus; para a lei e os profetas e os escritos, que são chamados “a Bíblia” pelos judeus, não são rejeitados por eles... Eles vivem de acordo com a pregação da Torah, como entre os judeus... Eles passaram a acreditar no Messias. E eles também aceitam a ressurreição dos mortos... eles proclamam um D-us e seu filho Ieshua o Ungido. Eles têm um bom domínio da língua hebraica... para toda Torah e os profetas... são lidos por eles em Hebraico... com os judeus que não concordam por causa de sua crença no Messias, com os cristãos [não concordam] porque eles são treinados na Torah, na circuncisão, o sábado e outras coisas." (6)

Há alguns anos, quando Martha e eu estávamos em Israel, visitamos uma igreja em Cana, antiga cidade da Galiléia que é perto de Nazaré, onde Ieshua fez seu primeiro milagre e transformou água em vinho. Como arqueólogos descobriram camada após camada dos remanescentes mais velhos e mais velhos edifícios da Igreja neste local, na camada mais inferior, descobriram os restos do edifício mais antigo de todos, uma sinagoga messiânica do segundo século AD.

Eu acho fascinante que a palavra de D-us ensina que, no futuro milênio, quando o Messias Ieshua estará governando de Jerusalém, a todas as nações será necessário observar Sucot (festa dos Tabernáculos - ver Zc 14), o sábado e as festas de lua nova (ver Is 66:23). Se estas coisas eram observadas pelo povo de D-us durante séculos antes da Cruz, pelos judeus messiânicos por séculos depois Ieshua veio e no milênio, então quão ruim podem ser agora?

Depois disso tudo, gostaria de exortar meus colegas judeus messiânicos e meus irmãos cristãos para não olhassem com reservas aqueles que salientam a continuidade das leis judaicas e costumes que são biblicamente corretos. Eu acredito que nós estaremos melhor servidos por enfatizar a continuidade entre as ligações, como fizeram os apóstolos, do que forçar uma ruptura radical entre o “antigo e novo testamento”, como o mais gentia ala da igreja tem feito nos longos séculos desde aquela época.

Shalom!

Rabino Loren

Notas de rodapé:

(1) Dr. John Fischer, "fundamentos da teologia messiânica:

seguindo passos do Ieshua?", página 14.

(2) Fischer, página 16.

(3) Fischer, página 15.

(4) Ray Pritz, "Cristianismo judaico Nazareno,"The Magnes Press, a Universidade Hebraica, Jerusalém, 1992, páginas 19-20.

(5) Fischer, página 16.

(6) Pritz, páginas 33-34.

Copyright © 1997-2001 congregação Shema Yisrael, todos os direitos reservados.

Última revisão: "28 de outubro de 98, 02: 36:22"

Tradução: Mário Moreno

Título original: “Old and new testaments: Continuity or Discontinuity?”

The book of Acts records the earliest history of the Messianic Jewish movement, and it presents a very Jewish picture.

  Artigos - Escrituras

Parceiros

Twitter

Siga-nos no Twitter, e esteja por dentro das últimas atualizações, eventos e novidades no Shemaysrael.com! Siga-nos.

Congregação Shema Israel

Cultue ao D-us de Israel conosco

Telefone para contato: (15) 3243-1791

Facebook

Estamos no Facebook! A página do Rabino Mário Moreno tem comentários sobre os últimos os acontecimentos no mundo e bênçãos diárias para sua vida. Página do Rabino no Facebook