1. Pular para o Menu
  2. Pular para o Conteúdo
  3. Pular para o Rodapé

O profeta Amós

PDF Imprimir E-mail

Escrito por Mário Moreno Seg, 14 de Dezembro de 2015 09:36

O profeta hebreu Amos - avisos para nosso tempo

"E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará" (Mt 24:12).

Ieshua profetizou que nos últimos dias a maldade e iniquidade aumentariam e por causa disso iria esfriar os corações das pessoas.

Vivemos em um tempo que define precedentes legais para legitimar o pecado, arrancando de nações inteiras e culturas os mais básicos ensinos de D-us.

Infelizmente, em muitos casos hoje, o conceito de Justiça tem sido pervertido na tentativa de defender os chamados direitos de todos os grupos contra os mandamentos de D-us como conjunto em sua Torah.

Este é certamente um momento em que o amor de muitos está esfriando.

O profeta hebreu Amos, cujos escritos estão incluídos na Tanach entre os Trei Asar (Os doze / menores profetas), também viveu em um tempo parecido com o nosso.

Seus avisos para Israel e as nações vizinhas sobre compromissos com a verdade carregam a mesma urgência em nosso tempo.

Assim como Israel, Judá e as nações vizinhas não foram capazes de escapar do julgamento que suas ações trazidas contra eles, para que as ações de Israel e as Nações hoje são um peso na balança.

Embora Israel, hoje, seja um sinal e uma maravilha, mesmo esta pequena nação, que é uma benção para o mundo, também tem caído na armadilha de aceitar valores "modernos" que negam os princípios básicos estabelecidos pelo criador do universo.

Prosperidade e decadência na Terra Santa

A Bíblia afirma que Amos profetiza "dois anos antes do terremoto," que era mais ou menos na metade do século VIII A.C..

Amos viveu ao mesmo tempo em que o profeta Oséias. Ambos eram ativos durante o reinado de Jeroboão II, rei das 10 tribos do norte de Israel e Uzias, rei de Judá.

Durante a primeira metade do século VIII A.C., Jeroboão foi capaz de estender as fronteiras de sua nação, e seu governo prosperou, recebendo muito tributo de seus territórios conquistados. O reinado de Uzias foi marcado pela paz e a prosperidade também.

Mas apesar do sucesso e prosperidade material do Reino do Norte, a decadência moral correu desenfreada, e os corações de muitos esfriou-se. Os ricos de Israel ficaram concentrados em si mesmos e não no carinho de um pelo outro. Eles estavam mais preocupados em adquirir riqueza do que com viver com retidão.

O livro de Amos descreve um povo arrogante, hipócrita, imoral, que vendeu os necessitados, oprimiu aos pobres, aproveitou dos indefesos, cobrou impostos exorbitantes e obteve lucros de forma desonesta. Até os profetas profetizaram por dinheiro.

Israel tornou-se uma nação em que a vida dos pobres foi considerada barata enquanto os ricos comiam a melhor comida, ouviam música e ficavam bêbados. Eles só pensaram em si com pouco interesse para a nação como um todo.

Embora eles mantiveram os festivais e o sábado, fizeram a contragosto e por obrigação.

Amos castigou as pessoas que trouxeram sacrifícios e adoraram a D-us sem se arrepender: "Aborreço, desprezo as vossas festas, e as vossas assembleias solenes não me dão nenhum prazer. E, ainda que me ofereçais holocaustos, e ofertas de manjares, não me agradarei delas: nem atentarei para as ofertas pacíficas de vossos animais gordos. Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos; porque não ouvirei as melodias dos teus instrumentos" (Am 5:21-23).

D-us é impassível por nossas Santas festas e celebrações, quando elas são praticados sem recorrer a Ele.

Cada um de nós pode examinar-se à luz destes versos; precisamos verificar nossos corações para certificar-nos de que as nossas ações não se tornaram rotina e repetição de canções de louvor bem conhecidas e danças e nossos feriados só dias Santos.

A idade de Amos foi um tempo de corrupção e a degeneração dos valores morais.

No norte, templos foram construídos em lugares altos, contendo todas as formas de ídolo, incluindo os bezerros de ouro que o primeiro rei Jeroboão tinha feito para levar as pessoas longe do Beit Ha Mikdash, o templo sagrado em Jerusalém.

Como estas práticas cresceram, os ensinamentos da Torah cada vez mais foram tratados com desprezo.

Se podemos ver uma situação paralela da forma que as pessoas hoje, tanto em Israel e no exterior, viemos adorar prazeres materiais, ícones culturais e religiões falsas, que em grande parte desconsideram as morais e as crenças estabelecidas na Torah.

D-us continuamente tentara combater esta tendência, enviando seus profetas para as pessoas com admoestações. Mas seus avisos, na maior parte, passaram desapercebidos.

Valorização dos pobres e necessitados

"Corra porém o juízo como as águas, e a justiça como o ribeiro impetuoso" (Am 5:24).

Para ativar Israel de volta a si mesmo, Adonai arranca um pastor-fazendeiro de Judá e envia-lo para Israel.

Amos é um homem calmo e humilde que não quer ser associado com os profetas profissionais que serviam os reis naquela época. "E respondeu Amós, e disse a Amazias: Eu não era profeta, nem filho de profeta, mas boieiro, e cultivador de sicômoros" (Am 7:14).

Amos adverte as tribos do norte de Israel, que serão julgados por sua desconsideração da palavra de D-us e suas leis, bem como para seus crimes sexuais e a indiferença para com as necessidades dos pobres — evyonim (aqueles em necessidade).

Vemos esta palavra usada em outros lugares na escritura:

Em Êxodo 23:11, esta mesma palavra refere-se àqueles que não têm comida.

Em Isaías 41:17, refere-se àqueles que carecem de água.

Em Jó 31:19, refere-se àqueles que precisam de roupa.

Amos disse a Israel que o evyonim estão sendo "esmagados" (4:1) e excessivamente tributados (5:11).

Amos também usa outros termos para os pobres e necessitados. Ele fala de anavim (humildes) (8:4) — aqueles que estão aflitos e vulneráveis. Isaías (61:1) os descreve como mansos ou humilde.

Amos grita contra a exploração dos dallim (pobres, necessitados).

Em sua descrição do fosso entre os ricos e os pobres no Reino do Norte, esta palavra é usada. Eles são forçados em dívida através de empréstimos a taxas exorbitantes para não perder a sua terra, levando a escravidão da dívida.

São aqueles que prosperam, disse tê-lo feito através do uso de pesos corruptos, enganadores (ul'avet mozenei mirma) (8:5). Subornos são usados para subverter a justiça (5:12).

Amos incentiva mishpat (corrigir sentença ou ser julgado por os atos) e Tzedaká (justiça), enfatizando a necessidade de agir com razão e em conformidade com a palavra de D-us.

Ele adverte que os ricos não seriam capazes de desfrutar as riquezas por muito tempo, porque o julgamento virá sobre Israel: "Buscai o bem, e não o mal, para que vivais: e assim o IHVH, o Deus dos Exércitos, estará convosco, como dizeis. Aborrecei o mal, e amai o bem, e estabelecei o juízo na porta: talvez o IHVH, o Deus dos Exércitos, tenha piedade do resto de José" Am 5:14-15.

Amos aparece perante o povo quando vão sacrificar para seu bezerro de ouro, em especial o templo instituído pelo rei Jeroboão e anuncia a intenção de D-us para castigar Israel.

Isto irrita a multidão e Amazias, o sacerdote, que incitam as pessoas contra ele. Mas Jeroboão protege-o.

Amazias ridiculariza Amos, dizendo-lhe para ir para onde ele seria mais aceito como um profeta de Judá. Amos responde que ele não é um profeta, nem filho de um, mas um simples homem enviado por D-us para alertar o povo (7:10-15).

Não obstante, Amos é forçado a deixar o Reino do Norte e voltar para sua casa em Tekoa ao sul do Reino de Judá.

Esta expulsão leva Amos para escrever sua mensagem, o primeiro dos profetas a faze-lo então (Enciclopédia judaica).

Julgamento de D-us e misericórdia para todos

Amos prediz que D-us irá, finalmente, peneirar o povo de Israel "entre todas as Nações, como o grão é sacudido por uma peneira" (9:9), e somente os justos irão sobreviver.

Note que esta peneiração não é restrita aqueles que vivem em Israel, mas também aqueles que estão "entre todas as nações."

Amos também adverte que aqueles que julgam haver muito tempo para o dia do Senhor: "Ai daqueles que desejam o dia do IHVH! para que quereis vós este dia do IHVH? trevas será e não luz. Como se um homem fugisse de diante do leão, e se encontrasse com ele o urso, ou como se, entrando numa casa, a sua mão encostasse à parede e fosse mordido duma cobra" (5:18-19).

Enquanto o livro de Amos é primariamente um livro de julgamento, termina com a misericórdia de D-us e a promessa de que o povo judeu irá retornar à sua terra para nunca ser erradicado novamente: "E removerei o cativeiro do meu povo Israel, e reedificarão as cidades assoladas, e nelas habitarão, e plantarão vinhas, e beberão o seu vinho, e farão pomares e lhes comerão o fruto. E os plantarei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra que lhes dei, diz o IHVH teu Elohim" (9:14-15).

Então, por um lado, temos a promessa de Amos da restauração da terra de Israel, mas por outro lado, temos os avisos que ainda são relevantes hoje — tanto para aqueles que vivem no exterior, bem como para aqueles que vivem na terra.

Naqueles dias de prosperidade, pelo menos no Reino do Norte, tornou possível para algumas pessoas uma vida extravagante, ignorando que muitos dos grandes conceitos e os mandamentos da lei judaica que ensinavam as pessoas a praticar justiça e bondade amorosa.

Vemos a mesma situação hoje em muitas nações, e eles não estão imunes ao julgamento.

Os avisos de Amos estendem-se para além das fronteiras da Terra Santa.

Sabemos que isto é verdade porque o livro de Amos descreve D-us como tendo preocupação para as nações: "Não sois vós para mim, ó filhos de Israel, como os filhos dos etíopes? diz o IHVH; não fiz eu subir a Israel da terra do Egito, e aos filisteus de Caftor, e aos siros de Quir?" (9:7)

D-us não é apenas o D-us de Israel; Ele também é o D-us de todo o universo.

Ele se importa com todas as pessoas em todos os lugares, e ele vê os oprimidos e necessitados onde quer que estejam, não só em Israel.

Amos revela que existem consequências terríveis para a falta de cuidados para os pobres, órfãos e viúvas.

Quando ignoramos aqueles em necessidade, nossa piedade exibe-se sem sentido.

Não podemos fechar os olhos para as necessidades dos outros, colocando uma prioridade sobre os serviços de oração sobre servi-lo de um modo prático. Ambos são essenciais.

Se temos verdadeiramente uma relação com Ele, ela será expressa também em nossos relacionamentos com os outros e nossas atitudes para com aqueles que têm menos que nós mesmos.

D-us deseja justiça e mesmo assim, hoje, apesar do conhecimento da humanidade e avanços, há injustiça por todo o lado. Como crentes temos muito a fazer.

Em um mundo em que morre uma criança de desnutrição a cada seis segundos e os refugiados fogem para sua segurança, as profecias dos Amos têm especial relevância.

Este profeta hebreu aponta-nos para o lugar onde adorar Adonai e a formação de um carinho, amar a Comunidade e resultar em sensibilização adequada para os necessitados e os oprimidos, onde eles são encontrados.

"Tu, anunciador de boas novas a Sião, sobe tu a um monte alto. Tu, anunciador de boas novas a Jerusalém, levanta a tua voz fortemente; levanta-a, não temas, e dize às cidades de Judá: Eis aqui está o vosso Elohim" (Is 40:9).

"Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai benignamente a Jerusalém, e bradai-lhe que já a sua malícia é acabada, que a sua iniquidade está expiada e que já recebeu em dobro da mão do IHVH, por todos os seus pecados" (Is 40:1-2).

Tradução: Mário Moreno

Título original: “The Hebrew Prophet Amos - Warnings for Our Time‏”.

  Artigos - Israel

Parceiros

Twitter

Siga-nos no Twitter, e esteja por dentro das últimas atualizações, eventos e novidades no Shemaysrael.com! Siga-nos.

Congregação Shema Israel

Cultue ao D-us de Israel conosco

Telefone para contato: (15) 3243-1791

Facebook

Estamos no Facebook! A página do Rabino Mário Moreno tem comentários sobre os últimos os acontecimentos no mundo e bênçãos diárias para sua vida. Página do Rabino no Facebook