1. Pular para o Menu
  2. Pular para o Conteúdo
  3. Pular para o Rodapé

A História de Israel - de 1948 até hoje

Independência

Mapa descrevendo a situação de Israel antes e depois de 1948Em 14 de maio de 1948, o Estado de Israel foi proclamado de acordo com o plano de partilha da ONU (1947). Menos de 24 horas depois da proclamação, os exércitos regulares de Egito, Jordânia, Síria, Líbano e Iraque invadiram o país e forçam o Israel a defender a sua soberania recém- recuperada em sua terra ancestral. No que foi conhecida como a Guerra da Independência de Israel, os recentemente formados exércitos de Israel, conhecidos como Forças de Defesas de Israel, (IDF) pobremente equipadas, repulsaram os invasores lutando intermitente e ferozmente contra os inimigos. Essa guerra durou uns 15 meses e ceifou mais de 6.000 vidas israelitas (quase um por cento (1%) da população judia do país na ocasião).


Durante os primeiros meses de 1949, negociações diretas foram conduzidas sob os auspícios da ONU entre o Israel e cada dos países invasores (menos o Iraque que se recusou a negociar com Israel para fechar o acordo de cessar fogo), resultando em acordos de armistício que refletiram a situação ao término da batalha. Adequadamente, a planície litorânea, a Galiléia e o todo o Negev ficaram dentro da soberania de Israel, Judéia e Samaria (o Banco Ocidental) estavam sob os auspícios da Jordânia, a Faixa de Gaza ficou sob a administração egípcia, e a cidade de Jerusalém foi dividida, com a Jordânia, que controlava a parte oriental, inclusive a Cidade Velha, e Israel o setor ocidental.

Reconstruindo o Estado

Ao final da guerra, Israel enfocou seus esforços em reconstruir o estado que tinha lutado tanto e tão duramente para recuperar. O primeiro Knesset (parlamento) tinha 120 lugares e entrou em sessão e eleições nacionais logo a seguir (25 de janeiro de 1949), na qual quase 85 por cento de todos os eleitores lançaram suas cédulas nas urnas. Duas das pessoas que tinham conduzido Israel a independência se tornaram os líderes do país: David Ben-Gurion, líder da Agência Judaica, foi escolhido como o primeiro primeiro-ministro, e Chaim Weizmann, líder da Organização Sionista Mundial, foi eleito pelo Knesset como o primeiro presidente. Em 11 de maio de 1949, Israel ocupou o seu assento como o 59º participante das Nações Unidas.

David Ben-Gurion, homem de visão conforme o conceito do “colheita dos exilados”, que representa o coração de Israel, abre os portões do país reafirmando o direito de todo judeu de voltar ao seu país e, quando chegar, adquirir a cidadania. Nos primeiros quatro meses de independência, uns 50.000 imigrantes, principalmente os sobreviventes de Holocausto, cruzaram as fronteiras de Israel. Ao final de 1951, um total de 687.000 homens, mulheres e crianças tinham chegado, e mais de 300.000 deles, eram refugiados de terras árabes, dobrando assim a população judia.

A tensão econômica causada pela Guerra da Independência e a necessidade de rápida provisão para a população crescente, requeria severidade no país e a ajuda financeira de fora. A ajuda estendida pelo governo dos Estados Unidos, os empréstimos americanos ajudam, as contribuições dos judeus da Diáspora e as compensações alemãs do pós-guerras, serviram para reconstruir alojamentos, mecanizar a agricultura, montar uma frota mercantil e uma linha aérea nacional, explorar os minerais disponíveis, desenvolver as indústrias e ampliar as estradas, telecomunicações e redes elétricas.

Ao fim da primeira década, o país dobrou a sua produção industrial, assim como o número de pessoas empregadas, com as exportações industriais que quadruplicaram. A vasta expansão da agricultura provocou a auto-suficiência na provisão de produtos básicos, excluindo-se a carne e os grãos, e as áreas de baixo de cultivo aumentaram dramaticamente. Uns 50.000 acres (20.000 hectares) de terra estéril foi reflorestada, e foram plantadas árvores ao longo de quase 500 milhas (800 km.) de estrada.

O sistema educacional que tinha sido desenvolvido pela comunidade judia no período de pre-estado, tem agora incluído o setor árabe, foi grandemente ampliado. A freqüência da escola ficou livre e compulsória para todas as crianças na faixa de 5-14 anos (desde 1978, é obrigatório até os 16 anos e livre após os 18).

Atividades culturais e artísticas floresceram e misturam o Oriente Médio, o Norte da África, e elementos Ocidentais, com judeus que chegam de todas as partes do mundo trazendo com eles as tradições, inigualáveis de suas próprias comunidades, como também aspectos culturais que prevalecem nos países onde eles tinham vivido por gerações.

1956 – A Campanha do Sinai

Tanque atravessando a península do Sinai

Entretanto, os anos de construção do estado foram obscurecidos através de sérios problemas de segurança. Os acordos de armistício não só falharam na construção de estradas para a paz permanente, como também foram violados constantemente. Contradizendo a resolução de 1 de setembro de 1951, editada pelo Conselho de Segurança da ONU, Israel e também suas fronteiras-marítimas foi advertido quanto a atravessar o Canal de Suez; o bloqueio do estreito de Tirana foi intensificado; incursões em Israel de esquadras terroristas de países árabes vizinhos para assassinato e sabotagem aconteceram com freqüência crescente; e a península de Sinai foi convertida gradualmente em uma enorme base de exército egípcio. Após a assinatura da aliança militar triparte pelo Egito, Síria e Jordânia (Outubro de 1956), a ameaça iminente para a existência de Israel foi intensificada. No curso de uma campanha de oito-dias, o IDF capturou a Faixa de Gaza e a península do Sinai inteira, detendo 10 milhas (16 km.) a leste do Canal de Suez. Uma decisão das Nações Unidas para estacionar uma Força de Emergência da ONU (UNEF) ao longo da fronteira Egito-Israel e as garantias egípcias para a livre navegação no Golfo de Eilat, Israel foi levado a concordar com uma retirada em fases (novembro de 1956 – março de 1957) das áreas conquistadas algumas semanas antes. Por conseguinte, foram abertos os Estreito de Tiran e habilitam o desenvolvimento do comércio com leste asiático e com os países africanos Orientais como também importações de petróleo do Golfo Pérsico.

Os anos de Consolidação

O Duto Nacional de Água (completo em 1964) através do qual se traz água do norte e centro do país para o semi-árido sul, durante sua construção. Durante a segunda década de Israel (1958 - 68), as exportações dobraram, e o GNP aumentou cerca de 10 por cento anualmente. Enquanto alguns importavam antes artigos como papel, pneus, rádios e refrigeradores, os mesmos agora estavam sendo fabricados localmente. O crescimento mais rápido aconteceu nas filiais recém estabelecidas de metais, maquinaria, substâncias químicas e eletrônica. Como o mercado interno para alimentos cresceu e estava se aproximando do ponto de saturação rapidamente, o setor agrícola começou a cultivar uma variedade maior de alimentos, como comida industrializada como também o produto fresco para exportação. Um segundo porto de águas profundas foi construído na costa mediterrânea de Ashdod, além do existir o de Haifa, para dividir o crescente volume do comércio portuário.

O Museu de Israel em Jerusalém, e uma casa permanente para o Knesset foram construídas, além de novas instalações para o hospital Hadassah foram construídas, além do Centro Médico e da Universidade Hebraica em locais alternados para substituir os edifícios originais no Monte Scopus que teve que ser abandonado depois da Guerra da Independência. Ao mesmo tempo, o Museu de Israel foi estabelecido com o objetivo de colecionar, conservar, estudar e exibir os tesouros culturais e artísticos dos judeus.

As relações internacionais de Israel se expandiram continuamente, assim como foram desenvolvidas laços íntimos com os Estados Unidos, e os países da Comunidade britânica, e também com os países do leste europeu, com quase todos os países da América Latina e da África, e alguns da Ásia. Foram iniciados programas extensos de cooperação internacional, tais como centenas de médicos israelitas, engenheiros, professores, agrônomos, peritos de irrigação e organizadores de mocidade compartilharam a perícia deles e compartilham suas experiências com pessoas de outros países em desenvolvimento. Em 1965 foram trocados os embaixadores com a República Federal da Alemanha, um movimento que tinha sido então adiado, até por causa das recordações amargas dos judeus contra os crimes cometidos contra eles durante o regime nazista (1933-45). Houve oposição veemente e amplo debate público, os quais precederam a normalização de relações entre os dois países.

O Julgamento de Eichmann

Em 23 de maio de 1960, Adolf Eichmann, um dos principais organizadores do programa nazista de extermínio durante a Segunda Guerra Mundial, foi trazido para Israel para ser julgado pelas leis de punição ao Nazismo, como também aos colaboradores nazistas, através da Lei de punição de 1950. No julgamento que se iniciou em abril de 1961, Eichmann foi declarado culpado de crimes contra a humanidade e também contra os judeus, sendo então condenado a morte. Depois de ter seu apelo à Suprema Corte rejeitado, ele foi executado em 30 de maio de 1962. Foi a única vem em que a penalidade de morte foi levada a cabo debaixo da lei israelita.

1967 - A Guerra dos seis-dias

Mapa descrevendo a situação de Israel antes e depois de 1967A esperança de ter-se outra década de tranqüilidade foi limitada pela alta escalada do terrorismo árabe, nas fronteiras entre o Egito e a Jordânia, sendo feitos bombardeios pela artilharia síria de forma persistente em campos agrícolas na região da Galiléia ao norte, além de formações militares volumosas pelos estados árabes vizinhos. Quando o Egito infiltrou um grande número de tropas novamente no Deserto do Sinai (maio de 1967), foram enviadas as forças de paz da ONU (formadas desde 1957) colocando-os fora da área, reimpôs o bloqueio do estreito de Tiran e entrou em uma aliança militar com a Jordânia, e Israel achou-se face a exércitos árabes hostis em todas as frentes. Como o Egito tinha violado os acordos que se seguiram a Campanha do Sinai em 1956, Israel invocou seu direito inerente de auto-defesa e lança um ataque preventivo (5 de junho de 1967) contra o Egito no sul, seguido por um contra-ataque contra a Jordânia ao leste e também derrotando as forças sírias que se posicionaram nas Colinas de Golan ao norte.

Ao término de seis dias de lutas, as linhas de cessar-fogo prévias foram substituídos por outras, com a Judéia, Samaria, e a Faixa de Gaza, a península do Sinai e as Colinas de Golan agora sob o controle de Israel. Como resultado, as aldeias do norte foram libertas de 19 anos de ataques sírios reincidentes; a passagem de israelitas e cruzamento das fronteiras marítimas de Israel pelo Estreito de Tiran foi assegurada; e Jerusalém que tinha sido dividida sob a regência israelita e jordaniana desde 1949, foi reunificada debaixo da autoridade de Israel.

Ao fim da guerra, o desafio diplomático de Israel era traduzir suas conquistas militares em uma paz permanente baseado na Resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, que pediu o “reconhecimento da soberania, integridade territorial e independência política de todo estado em sua área de direito, para viver em paz e seguro, e reconhecer as fronteiras livres de ameaças ou atos de força”. Porém, a posição árabe, como formulou a Conferência de Khartoum (agosto de 1967), “não queremos nenhuma paz com Israel, nenhuma negociação com Israel e nenhum reconhecimento de Israel”. Em setembro de 1968, o Egito iniciou uma 'guerra de atrito', com ações esporádicas, estáticas ao longo dos flancos do Canal de Suez, fato esse que promoveu uma escalada da violência na área, causando pesadas perdas, com muitas vítimas em ambos os lados. As hostilidades terminaram em 1970 quando o Egito e Israel aceitaram um cessar-fogo renovado ao longo do Canal de Suez.

1973 - Guerra do Yom Kippur

Foram quebrados três anos de calma relativa ao longo das fronteiras em Yom Kippur (Dia do Perdão), o dia mais santo do ano judaico, quando o Egito e Síria lançaram uma ataque de surpresa coordenado contra Israel (6 de outubro 1973), com o exército egípcio que cruza o Canal de Suez e o sírio se agrupa e penetra pelas Colinas de Golan. Durante as três semanas seguintes, as Forças de Defesa de Israel viraram a maré de batalha e repeliram os exércitos que os haviam atacado, cruzam o Canal de Suez no Egito e avançam para dentro por 20 milhas (32 km.) em direção à capital síria, Damasco. Foram necessários dois anos de difíceis negociações entre Israel e Egito, e entre Israel e Síria resultou em acordos de desocupação dos territórios conquistados, acordo que dizia que Israel se retiraria de partes dos territórios capturados durante a guerra.

Da Guerra para Paz

Enquanto a guerra de 1973 custou a Israel o GNP de um ano, até a segundo a metade de 1974 a economia já se tinha recuperado. Os investimentos estrangeiros cresceram consideravelmente e, também com Israel que se torna um sócio vitalício do Mercado Comum Europeu (1975), novas saídas potenciais se abriram para os israelitas. O turismo começou a aumentar e o número anual de visitas passou a marca de um milhão.

Mapa descrevendo a situação de Israel antes e depois do acordo Israel-EgitoAs eleições de 1977 do Knesset trouxeram a coligação política do Likud, uma coalizão de liberal e partidos de centro, terminando um domínio de quase 30 anos do Partido Operário. Ao assumir um cargo público, o novo primeiro-ministro, Menachem Begin, reiterou o compromisso feito pelos primeiros-ministros anteriores, a fim de se esforçar para haver paz permanente na região e chamou os líderes árabes para vir à mesa de negociações com Israel

As constantes rejeições dos árabes às aproximações de Israel para paz estavam agora quebradas com a visita de Presidente egípcio Anwar Sadat a Jerusalém (novembro de 1977), que seguiu-se às negociações entre o Egito e Israel sob os auspícios dos americanos. O resultado foi o Acordo de Camp David (setembro de 1978) contendo um arcabouço para uma paz duradoura no Oriente Médio, inclusive uma proposta detalhada para um governo autônomo dos Palestinos. Em 26 de março de 1979, Israel e Egito assinaram um tratado de paz em Washington, DC, trazendo um fim a 30 anos de guerra entre eles.

Conforme as condições do Tratado de Paz entre Israel-Egito, Israel completou sua retirada da península de Sinai (abril de 1982), trocando cessar-fogo anterior por acordos de armistício e o reconhecimento das fronteiras internacionais mutuamente reconhecidas.

Alguns dos estados africanos que tinham cortado relações com Israel como resultado de pressão de árabe durante a crise do petróleo em 1973, restabeleceram seus contatos com Israel nos anos oitenta, dando um impulso renovado às relações econômicas entre os países, como também o restabelecimento das relações diplomáticas formais.

1982 – Operação Paz para a Galiléia

A fronteira limite internacional com o Líbano nunca foi desafiada por qualquer lado. Porém, quando a Organização para a Liberação da Palestina (OLP) se transferiu para o Líbano meridional depois de serem expulsos da Jordânia (1970), começaram a perpetrar repetidas ações terroristas contra as cidades e aldeias ao norte de Israel (Galiléia) o que causou muitas vítimas e muitos danos as Forças de Defesa de Israel, que cruzaram a fronteira do Líbano (1982). A “Operação Paz para a Galiléia” resultou na remoção da infra-estrutura organizacional e militar de OLP da área. Desde então, Israel manteve uma pequena zona de segurança no Líbano meridional adjacente a sua fronteira ao norte, para salvaguardar sua população na Galiléia contra ataques continuados através de elementos hostis.

Durante os anos oitenta, Israel absorveu mais de 700,000 novos imigrantes, principalmente da União soviética, da Europa Oriental e da Etiópia. A afluência de tantos consumidores novos como também um número grande de trabalhadores qualificados e inexperientes, associando–se com medidas rígidas para controlar a inflação, impulsionou a economia em um período de expansão acelerada e atinge uma alta taxa do crescimento de GDP entre os países Ocidentais.

O governo que assumiu o poder após as eleições do Knesset em 1984, foi composto das duas coligação políticas principais – Trabalhista (esquerda/centro) e o Likud (direita/centro). Foi substituído em 1988 por uma coalizão liderada pelo Likud que ao término de seu mandato de quatro anos foi seguida em 1992 por uma coalizão do Partido Trabalhista de esquerda-de-centro menores. Durante estes anos, cada governo trabalhou para a realização da paz, para o desenvolvimento econômico e absorção de imigrantes de acordo com suas próprias convicções políticas.

Paz na Região

Desde a assinatura do Tratado de Paz entre Egito-Israel (1979), várias iniciativas foram tomadas por Israel e outros para avançar no processo de paz no Oriente Médio.

Estes esforços conduziram eventualmente ao acordo de Paz na Conferência de Madrid (outubro de 1991), liderados pelos americanos e patrocinados pelos soviéticos, que reuniram os representantes de Israel, Síria, Líbano, Jordânia e os Palestinos. Os procedimentos formais foram seguidos através de negociações bilaterais entre os partidos e por conversas multilaterais que externam suas preocupações regionais.

Conversas bilaterais

Israel e o Palestinos: Nos meses seguintes aos contatos de bastidores intensivos em Oslo entre negociadores para Israel e os Palestinos – Organização de Libertação da Palestina (OLP), uma Declaração de Princípios (DOP) foi formulada esboçando arranjos de um governo autônomo para os Palestinos no “Banco Ocidental” e na Faixa de Gaza. Sua assinatura foi precedida por uma troca de cartas (setembro de 1993) entre o líder da OLP, Presidente Yasser Arafat e primeiro-ministro Yitzhak Rabin, no qual a OLP renunciou ao uso do terrorismo, empenhado-se a invalidar esses artigos em sua Convenção, artigos estes que negam o direito de Israel a existir, e se comprometeu a uma resolução paz no conflito ao longo de uma década entre o Palestinos e os judeus na terra. Em resposta, Israel reconheceu a OLP como o representante do povo palestino.

Acordo entre Israel e Palestina em Camp DavidAssinado por Israel e a OLP em Washington, DC em setembro de 1993, o Documento contém um conjunto de acordos comuns, traduzidos em princípios gerais relativos a um período de cinco anos, que é um período interino de auto-gestão dos palestinos, a ser implementado em quatro fases. O primeiro passo fixa a auto-gestão na Faixa de Gaza e área de Jericó e aconteceu em maio de 1994. Em agosto do mesmo ano, a segunda fase foi introduzida envolvendo a transferência de poderes e responsabilidades para os representantes palestinos no Banco Ocidental por autorização prévia em cinco esferas específicas - educação e agricultura, saúde, previdência social, taxação direta e turismo. O Acordo israelita-palestino Interino de setembro de 1995, constituindo a terceira fase, previa um governo autônomo palestino mais amplo no Banco Ocidental por meio de uma autoridade autônoma eleita - o Conselho Palestino - permitiria aos Palestinos administrar os seus próprios negócios internos.

A última fase - negociações entre as partes e arranjos finais - começou como fora programado em maio de 1996. Estas conversas determinarão a natureza das decisões permanentes e cobrirão os assuntos restantes, inclusive refugiados, outras determinações, forças de segurança, fronteiras, Jerusalém e outros assuntos de interesse comum.

Em 10 de dezembro de 1994, em reconhecimento os esforços deles para o avanço da causa de paz, o primeiro-ministro Yitzhak Rabin, o ministro do exterior Shimon Peres e o Presidente da OLO Yasser Arafat foram premiados com o Prêmio Nobel para Paz.

Israel e Jordânia: Três anos de conversas entre o Jordânia e Israel que seguem a Conferência de Madrid culminaram em uma declaração feita pelo Rei Hussein e primeiro-ministro Yitzhak Rabin (julho de 1994) que terminou com 46 anos de estado de guerra entre os dois países. O tratado de paz entre Jordânia - Israel foi assinado na fronteira do Arava que cruza (perto de Eilat em Israel e Akaba na Jordânia) em 26 de outubro de 1994, na presença do Presidente americano Bill Clinton. Desde então, o Israel e Jordânia têm cooperado em muitas esferas para o benefício de ambos os países.

Israel e Síria: Debaixo do arcabouço da fórmula de Madrid, conversas entre os israelitas e delegações sírias começaram em Washington e recebem suporte de vez em quando a nível diplomático, com o envolvimento de funcionários americanos de alto escalão. Dois recentes círculos de conversações de paz sírio-israelitas (dezembro de 1995, janeiro de 1996), enfocaram a segurança e outros assuntos importantes. Altamente detalhado e inclusivo em âmbito, as conversas identificaram áreas importantes de acordo conceitual e convergência para discussão futura e consideração.

Conversas multilaterais

As conversas multilaterais foram constituídas como uma parte integrante do processo de paz, apontada para achar soluções para problemas-chave regionais, enquanto serviriam como uma ponte de confiança que se constrói para promover desenvolvimento de relações normalizadas entre as nações do Oriente Médio. Seguindo a Conferência de Moscou para o Oriente Médio Multilateral (janeiro de 1992), com a participação de 36 países e organizações internacionais, as delegações foram divididas em cinco grupos de trabalho que lidam com áreas específicas de assuntos cujas preocupações regionais são comuns - ambiente, controle de armamentos e segurança regional, refugiados, recursos de água e desenvolvimento econômico - que se encontram de vez em quando em várias jurisdições na região.

O assassinato do primeiro-ministro o Yitzhak Rabin em 4 de novembro de 1995 por um extremista judeu mergulhou o país em profundo luto para o soldado-estadista que tinha viajado do campo de batalha para conduzir a nação na estrada para paz.

Israel no Século XXI

Depois do assassinato de primeiro-ministro Rabin (novembro de 1995), o governo - conforme seu direito para designar um ministro (que também deve ser um componente do Knesset) para servir como primeiro-ministro até as próximas eleições - nomeou o ministro do exterior Shimon Peres como primeiro-ministro suplente, com todos os privilégios de escritório. Em maio de 1996 as eleições trouxeram um novo governo de coalisão para dar poder a um governo composto de nacionalistas, religiosos e elementos de centro, encabeçados por Benjamim Netanyahu do Likud.

Com metas dedicadas aos interesses globais do Estado de Israel, estão os desafios que estão em frente do governo hoje, entre eles a alia, a continuação do processo de paz; assegurar a segurança do país; alargar o âmbito de suas relações diplomáticas ao redor do mundo; aumentar o sistema de ensino instituindo classes menores e um dia escolar mais longo; oportunidade igual na promoção da educação; ênfase maior sobre os estudos científicos e tecnológicos para ajudar a indústria israelita; competitividade econômica aumentando com menos intervenção governamental; redução do déficit através do equilíbrio de pagamentos; manter uma baixa taxa de inflação; dar uma forma dinâmica à burocracia governamental; aliviar o fardo dos impostos; procurar soluções para resolver os problemas; e intensificação da expansão de infra-estrutura. A Imigração fixa ao país e a progressão no processo de paz deverá afetar o crescimento continuado de Israel e o desenvolvimento positivo para o próximo século.

Pesquisar por title     Exibir # 
# Título do Artigo Data Acessos
1 De que lado estamos? Seg, 10 de Agosto de 2009 2681

Parceiros

Twitter

Siga-nos no Twitter, e esteja por dentro das últimas atualizações, eventos e novidades no Shemaysrael.com! Siga-nos.

Congregação Shema Israel

Cultue ao D-us de Israel conosco

Telefone para contato: (15) 3243-1791

Facebook

Estamos no Facebook! A página do Rabino Mário Moreno tem comentários sobre os últimos os acontecimentos no mundo e bênçãos diárias para sua vida. Página do Rabino no Facebook